“Se hay gobierno, estoy a favor”: Rodrigo Maia como traço imutável da política brasileira

Deysi Cioccari, Vanderlei de Castro Ezequiel

Resumo


O objetivo desse artigo é fazer uma análise da reviravolta que o partido Democratas sofreu na cena política brasileira tendo como protagonista
o atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Analisou-se o declínio do DEM mediante a chegada do Partido dos
Trabalhadores ao poder e a articulação das forças políticas para retomada do protagonismo político tendo como fgura principal, Rodrigo
Maia, um líder que pode ser analisado mediante as noções de Fortuna e Virtú e equilibra-se em meio à agenda midiática brasileira e à
espetacularização da política. O embasamento teórico abrange Nicolau Maquiavel, Guy Debord e Vera Chaia, além de textos sobre a trajetória
do PFL/DEM.

Palavras-chave


Comunicação; Democratas; Partidos Políticos; Poder; Câmara dos Deputados

Texto completo:

PDF

Referências


BALANDIER, Georges. O poder em cena. Ed. Universidade de Brasília, 1982.

CHAIA, Vera. Escândalos políticos: parte do jogo? In: CHAIA, Miguel e CHAIA, Vera. (Org.). Mídia e política. São Paulo: Educ, 2000.

.......................Escândalos políticos e eleições no Brasil. In: VI Congresso da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação

e Política (VI COMPOLÍTICA). Rio de Janeiro (PUC-Rio), de 22 a 24 de abril de 2015. Disponível em: http://www.compolitica.org/

home/wp-content/uploads/2015/04/GT8-Chaia.pdf Acesso em: 14 out. 2017.

CORBELLINI, Juliano. O poder como vocação: o PFL na política brasileira. Tese de doutorado apresentada ao Universidade Federal

do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofa e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, 264 páginas.

Ano 2005.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Ed. Contraponto, Rio de Janeiro, 1997.

DUVERGER, Maurice. Os partidos políticos. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

KINZO, M. D. Os partidos no eleitorado: percepções públicas e laços partidários no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais,

v. 20, nº 57, 2005.

KINZO, M. D. e BRAGA, M.S.S. (Orgs.). Eleitores e representação partidária no Brasil. São Paulo: Humanitas, 2007.

LAMOUNIER, Bolívar. Da Independência a Lula: dois séculos de política brasileira . São Paulo, Augurium Editora, 2005

LAVAREDA, A. PFL: O dissenso dos governadores nordestinos em busca de uma nova imagem. 1985

MACHIAVELLI, N. O Príncipe. Trad. Prefácio e Notas, Lívio Xavier. Rio de Janeiro, Ediouro, 2000.

MAINWARING, Scott. Sistemas partidários em novas democracias: o Caso do Brasil . Ed. FGV, SP. 1999,

MAINWARING, S e SCULLY, T (Eds.). Building democratic institutions: party systems in Latin America. Stanford: Stanford University

Press, 1995.

MANIN, B. As metamorfoses do governo representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, nº 29, p.5-33, out. 1995.

MANIN, B. The Principles of Representative Government. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

MARENCO, A. Quando trocar de partido pode não ser um bom negócio: migrações na Câmara Federal, 1987-2002.

MENEGUELLO, R. Partidos e tendências de comportamento: o cenário político em 1994, In: DAGNINO, E. (org.). Anos 90. Sociedade

e Política no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1994.

TAROUCO, Gabriela. Brazilian parties according to their manifestos: political identity and programmatic emphases. Brazilian

Political Science Review, São Paulo, v. 5, n. 1, 54- 76, 2011. Disponível em: http://bpsr.org.br/english/arquivos/ BPSR_v5_n1_

artigos/Article_Gabriela.pdf. Acesso em: 11 set. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Os artigos publicados nesta revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.