Campanha permanente e espetacularização política: análise das estratégias narrativas de João Doria (PSDB) na fanpage

Carla Montuori Ferrari, Luiz Ademir de Oliveira, Thamiris Franco Martins, Vera Chaia

Resumo


Este estudo parte do pressuposto que a comunicação eleitoral não se restringe aos períodos das eleições, uma vez que há um processo
permanente de uso estratégico da mídia para a construção da imagem dos líderes políticos e dos partidos. Trata‐se do conceito de campanha
permanente, que é a confluência da comunicação governamental com a campanha eleitoral. O artigo tem como objetivo apontar como a
espetacularização tem sido uma marca das ações de campanha permanente do Prefeito da cidade de São Paulo, João Doria Jr. (PSDB), tendo
como amostra as postagens realizadas na sua fanpage, durante o início do primeiro mandato

Palavras-chave


Campanha Permanente. Comunicação Política. Propaganda Política

Texto completo:

PDF

Referências


AGGIO, Camilo de O. 2011.Internet, Eleições e Participação: Questões-chave acerca da participação e do ativismo nos estudos em

campanhas Online. In: W. GOMES; R. MAIA; F.J. MARQUES (orgs.), Internet e Participação Política no Brasil, Porto Alegre, Editora

Sulina, p. 175-196.

ALBUQUERQUE, Afonso de. 1999.Aqui você vê a verdade na tevê. A propaganda política na TV. Niterói, RJ. Dissertação de

Mestrado. Universidade Federal Fluminense, 204 p.

BARDIN, Laurence. 2011. Análise de conteúdo. Lisboa, Edições 70, 229 p.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa Brasileira de Mídia 2015: hábitos de consumo de

mídia pela população brasileira. Brasília, SECOM, 2015.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DORIA, João. Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE).CD-ROM. 2016.

COOK, Corey. The Contemporary Presidency: The Permanence of the “Permanent Campaign” George W. Bush’s Public Presidency.

Presidential Studies Quarterly, 32: 753-764, 2002.

COURTINE, Jean-Jacques. Os deslizamentos do espetáculo político. In: GREGOLIN, Maria do Rosário V. (Org.). Discurso e mídia: a

cultura do espetáculo. São Carlos: Claraluz, 2003.

FIGUEIREDO, Marcus et al. 1998. Estratégias de Persuasão em Eleições Majoritárias. Uma proposta metodológica para o estudo

da propaganda eleitoral. Opinião Pública, 4(3): 109-120.

GALICIA, James Sanches. 2010.Treinta claves para entender el poder. Léxico de La nueva Comunicación Política. México, Piso 15

Editores, 372 p.GOMES, Wilson. 2004.Transformações da política na era da comunicação. São Paulo, Paulus, 451 p.

___________. 2011. Participação política online: questões e hipóteses de trabalho, In: W. GOMES; R. MAIA; F.J. MARQUES (orgs.),

Internet e Participação Política no Brasil. Porto Alegre, Editora Sulina, p. 19-46.

HECLO, Hugh. Campaign in gand governing: a conspectus. In: ORNSTEIN. N. J.; MANN, T. E. (Eds.); The Permanent Campaign and

Its Future. Washington D.C.: American Enterprise Institute and The Brookings Institution,37 p.

LEAL, Paulo Roberto Figueira; VIEIRA, Mário Braga Magalhães Hubner. 2009. O fenômeno da personalização da política: evidências

comunicacionais das campanhas de Dilma e Serra em 2010. Teoria e Cultura, 4, (1 e 2): 41 a 50.

LILLEKER, Darren G. 2007.Key concepts in political communication. London: Sage Publications Ltd, 224 p.

LIMA, Venício de. 2006. Mídia. Crise política e poder no Brasil. São Paulo, Perseu Abramo, 174 p.

MANIN, Bernard. 1995. Metamorfoses do governo representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 10(29): 5-34.

NOGUERA, Figueira. 2001. La campaña permanente. In: R. Izurieta, R. M. Perina, C. Arterton (Eds.). Estrategias de comunicación

para gobiernos. Washington, The George Washington University, p. 83-108.

RODRIGUES, Adriano Duarte. 1990. Estratégias da Comunicação. Lisboa, Editorial Presença, 223 p.

SALGADO, Suzana. 2012. Campanhas eleitorais e cobertura mediática: abordagens teóricas e contributos para a compreensão

das interações entre política e media. Revista Brasileira de Ciência Política, 9: 229-253.

SCHWARTZENBERG, Roger-Gérard. 1977. O Estado Espetáculo. São Paulo, Círculo do Livro, 1977, p. 359.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Os artigos publicados nesta revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.