Praticar o terceiro olho na pesquisa comunicacional: uma proposta de estudo vivencial da comunicação

Ciro Marcondes

Resumo


Esta Aula Inaugural serviu para que fosse apresentada a proposta de estudo e pesquisa da comunicação desenvolvida há mais de duas décadas
pela ECA-USP sob o nome de Nova Teoria da Comunicação. De forma bastante resumida, foram apresentados os dois aspectos principais desta
proposição, centrados no acontecer da comunicação e em seu procedimento investigativo. O acontecer exclui a ideia de que comunicação
tenha a ver com transmissão, que ela seja algo constante e próximo à informação. O investigar busca afastar-se dos “métodos”, que antes
inibem a descoberta do novo e parte, ao contrário, para caminhos não traçados, criados ad hoc, numa nova leitura da fenomenologia em que o
pesquisador torna-se repórter fiel, testemunhal, fotográfico da cena, sem procurar explicá-la ou interpretá-la. O próprio pesquisador aprende
e se transforma enquanto pesquisa.


Texto completo:

PDF

Referências


Bateson, Gregory, Steps to an Ecology of Mind. Chicago e Londres, The University of Chicago Press, 2000. [Edição original, 1972]

Deleuze, Gilles. Proust e os signos. Trad. Antonio Carlos Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro, Forense-Universitária, 1987.

Husserl, Edmond. Logische Untersuchungen II, I, Halle, 1913.

Klages. Ludwig. Ursprünge der Seelenforschung. Stuttgart. Reclam, 1970.

Kofman, Sarah. Comment s’en sortir. Paris, Galilée, s/d [1983]

Levinas, Emmanuel. Totalidade e infinito. Tradução de José Pinto Ribeiro. Lisboa, Edições 70, s/d [2000]

Luhmann, Niklas. A improbabilidade da comunicação. Veja Editora, Lisboa, 2006.

Sfez, Lucien. Crítica da comunicação, São Paulo, Loyola.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Os artigos publicados nesta revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.