Novas experiências de jornalismo no Brasil: potências e limites para uma nova governança social

Mariana da Rosa Silva, Rogério Christofoletti

Resumo


A crise do jornalismo enseja a pensar soluções para a indústria, mas empreendimentos que se autodenominam alternativos e independentes também podem oferecer contribuições neste sentido. Neste trabalho, analisamos trinta projetos jornalísticos nativos na internet, criados há menos de cinco anos, e que se propõem a fornecer narrativas distintas do jornalismo convencional. De forma complementar, mergulhamos em duas iniciativas para compreender em que aspectos elas efetivamente se colocam como novas e distintas. Os resultados são confrontados com o conceito de governança, a partir de Bevir (2013) e com as dimensões derivadas propostas por Mick & Tavares (2017). Diante da fragilidade das iniciativas estudadas, são traçadas observações a respeito dos limites e possibilidades dessas experiências para se pensar uma nova governança social para o jornalismo.

 


Palavras-chave


Governança; Sustentabilidade; Jornalismo alternativo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Filipe. Fundações jornalísticas: em busca de um novo modelo de negócio para a imprensa. Coimbra: Almedina, 2014.

ANDERSON, C. W., BELL, Emily, SHIRKY, Clay. O Jornalismo Pós-industrial. In: Revista de Jornalismo ESPM. n. 5, ano 3, abr/mai/jun 2013. p. 30-89.

BATSELL, Jake. Engaged Journalism: connecting with digitally empowered news audiences. New York: Columbia University Press, 2015.

BEVIR, Mark. Governança democrática: uma genealogia. Revista de Sociologia Política, Curitiba, v. 19, n. 39, p. 103-114, jun. 2011.

BEVIR, Mark. A theory of governance. Oakland: University of California Press, 2013.

BEVIR, Mark. The SAGE handbook of governance. Londres: Sage, 2011.

BLAIR, Margareth. Ownership and control: rethinking corporate governance for the twenty-first century. Washington: Brookings Institution, 1995.

BOURDIEU, Pierre. A produção da crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. 3 ed. Porto Alegre: Zouk, 2015.

BREED, Warren. Controle social da redação: uma análise funcional In.: TRAQUINA, Nelson (Org.). Jornalismo: Questões, teorias e estórias. [s.l.] Vega, 1993.

CAGÉ, Julia. Salvar os média. Lisboa: Temas e debates, 2016.

CHARRON, Jean ; BONVILLE, Jean de. Natureza e transformação do jornalismo. Florianópolis: Insular, 2016.

CHRISTOFOLETTI, Rogério; MICK, Jacques. Inovações da governança jornalística diante da crise. IN: COLUSSI, Juliana; ROCHA, Paula Melani. Periodismo Ubíquo: convergencia y inovacción en las nuevas redacciones. Bogotá: Ed. Universidad del Rosario, 2018, prelo.

CORNU, Daniel. Jornalismo e verdade: para uma ética da informação. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

GENRO FILHO, Adelmo. O Segredo da Pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. Florianópolis: Insular, 2012.

GREENWOOD, Sue. Future Journalism: where we are and where we’re going. London/New York: Routledge, 2018.

GUERRA, Sandra. A caixa-preta da governança. Rio de Janeiro: Best-Business, 2017.

LAGE, N. Ideologia e técnica da notícia. 4ª ed. rev. e ampl. Florianópolis: Insular, 2012. Série Jornalismo a Rigor, vol. 5.

LÜDTKE, Sérgio. Empreendimentos digitais do jornalismo brasileiro. Disponível em: http://interatores.com.br/. Acesso em: 25 maio 2016.

MICK, Jacques; TAVARES, Luisa Meurer. A governança do jornalismo e alternativas para a crise. Brazilian Journalism Research, Vol. 13, nº 2, agosto de 2017, pp. 120-145.

PETERS, Chris; BROERSMA, Marcel. Rethinking Journalism Again: Societal Role and Public Relevance in a digital age. London/New York: Routledge, 2017.

PETERS, Chris; BROERSMA, Marcel. Rethinking Journalism: Trust and Participation in a Transformed News Landscape. London/New York: Routledge, 2013.

PUPPIS, Manuel. Governance: A New Concept for the Analysis of Media Policy and Regulation. Communication, Culture & Critique, 3, 2010, 134-149.

RYFE, David M. Can Journalism Survive? An inside look at American newsrooms. Cambridge: Polity Press, 2012.

SEMBRAMIDIA. Ponto de inflexão: impacto, ameaças e sustentabilidade: um estudo dos empreendedores digitais latino-americanos. [s.l.], 2017

SERRANO, Pascual. La prensa ha muerto: viva la prensa! De como la crisis trae medios más livres. Península: Barcelona, 2014.

SILVA, Mariana. Tensões entre o alternativo e o convencional: organização e financiamento nas novas experiências de jornalismo no Brasil. 2017. 311 p. Dissertação (Mestrado em Jornalismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

SOLOSKI, John. O jornalismo e o profissionalismo: alguns constrangimentos no trabalho jornalístico. In.: TRAQUINA, Nelson (Org.). Jornalismo: Questões, teorias e estórias. [s.l.] Vega, 1993.

STEPHENS, Mitchell. Beyond News: The future of Journalism. New York: Columbia University Press, 2014.

TUCHMAN, Gaye. A objectividade como ritual estratégico: uma análise das noções de objetividade dos jornalistas. In.: TRAQUINA, Nelson (Org.). Jornalismo: Questões, teorias e estórias. [s.l.] Vega, 1993.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

ZELIZER, Barbie. What Journalism Could Be. Cambridge: Polity Press, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Os artigos publicados nesta revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.